Obra-prima

 

Relendo Machado de Assis, “Memórias Póstumas de Braz Cubas”.

Em um exemplar que herdei do meu pai, datado de 1941. A edição é de 1938, da W.M.Jackson Inc. Editores. Grossas páginas amareladas, mais escuras e desgastadas nas bordas, literalmente caindo aos pedaços, pronto para ser encadernado. Grafia tão antiga que parece quase outra língua escrita. Mas que maravilha, que leveza, que mestre tivemos nele!

Não sou muito de releituras mas mergulhar outra vez em um livro assim é reencontrar um oásis.

Esta entrada foi publicada em Cotidiano. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *